Monday, 23 November 2020

A FILOSOFIA SCROOGIANA E A CAPACIDADE DE TRANSFORMAÇÃO HUMANA, NA IDEIA-FANTASMA DE DICKENS | PÉTALAS OF KNOWLEDGE TO BE


Charles Dickens criou Scrooge (1842), como personagem principal do seu livro "A Christmas Carol"  para lembrar a-humanidade de que o Natal  é a altura do ano em que é sempre possível transformar-mundo em melhor-mundo. A humanidade deve aprender a scroogiar-mundo, para poder confrontar-se com a sua avareza e  a transformar em compaixão. A maior avareza de Scrooge é recusar observar, necessitando de ser confrontado com os fantasmas do tempo que então lhe abrem as portas à possibilidade da transformação humana.



A humanidade observa a filosofia scroogiana de  Dickens e reconhece a importância de aceder à projeção holográfica do tempo, não para se ficar preso ao tempo, mas para se tomar responsabilidade sobre a linha de tempo que se  está  a seguir. Efetivamente, aceder às linhas de tempo passadas, presentes e futuras é uma experiência do campo da física quântica que Dickens traduziu para a linguagem do homem comum, tornando-a acessível a todos. 

A experiência scroogiana permite, assim,  o distanciamento do observador, em relação ao argumento da vida que o consome como  ator. O ator, quando vive o argumento, não está em condições de ser observador do tempo, sendo transportado pelo enredo, e não pelo melhor compromisso com o seu propósito humano. A humanidade,  deve-se confrontar com os seus espíritos do tempo e recusar voltar às linhas de tempo que a afastaram do seu maior propósito: o de servir humanidade e não o de servir o interesse do tempo.

Charles Dickens sobre  o seu livro "O Conto de Natal" escreveu I have endeavored in this ghostly little book, to raise the ghost of an idea . A ideia-fantasma de Dickens, pretende mostrar como   a humanidade tem a capacidade de transformar os seus erros, em melhor-humanidade,   recusando   a ideia de culpa-humana . Na verdade, Dickens mostra-nos que a melhor qualidade humana não é fazer CTRL + DELETE + Esquecer, mas, sim!  conscientemente assumir responsabilidade pela escolha da linha-tempo-humanidade  que  transforma  humanidade, em melhor humanidade.

O conto de natal de Charles Dickens não foi escrito para distrair-tempo, mas, para transformar-tempo, pois à humanidade de nada vale dizer saber-ler-Dickens, se não souber viver a experiência da ideia-fantasma  de Dickens

Wishing  Humanity a Merry-Scrooge-2020Christmas 💚🎄.