Saturday, 30 July 2022

A TRAGÉDIA DO VALOR ERRADO E AS NOVAS GERAÇÕES QUE NÃO PODEM CONTINUAR A SER ALIMENTO-FAST-FOOD4PROFIT | RETHINKING SUSTAINABLE GOALS

SÉRIE -  RETHINKING SUSTAINABLE DEVELOPENT GOAL GOALS
time-reading-barometer | 4 minutes 15 seconds |  853  words | republished/updated
17Steps@principiahumanitatis.org

O valor (preço) das sociedades ocidentais está estruturado pelo sistema de relação entre a procura (produção) e a oferta (consumo). Efetivamente, a lei da oferta e da procura (de Adam Smith) afirma da existência de uma mão invísivel que regula uma espécie de  homeostasia de mercado de acordo com as suas necessidades, afirmando que o preço/quantidade dos bens/serviços  irá sempre tender para um  equilíbrio conforme  a maior ou menor oferta (num dado momento e sob determinadas circunstâncias) e segundo o acréscimo ou decréscimo da procura (num dado momento e sob determinadas circunstâncias).

A teoria de Adam Smith, que tem cerca de duzentos e cinquenta anos de existência, continua atual e a funcionar de forma eficiente, na substância, no entanto, não nos podemos esquecer de que esta teoria foi construída para explicar a regulação do valor das-coisas desprovidas de vida humana, i.e. o valor dos bens e dos serviços produzidos e consumidos para satisfazer as necessidades entre oferta (produção) e procura (consumo). No entanto, e de forma subtil, a lei da construção do valor  de mercado  foi inseminada, na programação  subconsciente da vida-humana  contemporânea, como  lei sacrossanta natural do valor-da-pessoa instituindo-se que : "o valor da pessoa  humana resulta do  preço aplicado ao tempo que trabalha para poder consumir (durante o reduzido tempo que não trabalha) e até ao fim da sua vida;  um produto/serviço, aka 'a-coisa',  que quando consumido perde todo o seu valor agregado de mercado." Deste modo, quando a pessoa não tem trabalho (sob circunstâncias do próprio mercado)  está fora do mercado da criação de valor humano; logo, não consegue consumir; logo, não consegue sustentar a sua existência; logo, não tem valor humano. Por outro lado, quanto mais a pessoa recebe pelo trabalho que faz, maior valor produz para poder mais-consumir;  logo, mais coisas pode-ter; logo, mais valor humano alcança na cotação do mercado do valor humano. Entra-se assim, no paradigma  atual da humanidade: "a tragédia do valor da vida humana, assente na falácia da lei de mercado aplicada à cotação do preço da vida humana". Complicado? Não. Complexo? Sim.

Assim, a lei de mercado  passou a ser a expressão da lei-da-vida  que se engole (e se passa de geração em geração ( como redundância do valor mundo  que se tornou lei humana:  trabalhar  para consumir e poder-se morrer de barriga cheia. Efetivamente, a lei de mercado transformou-se na lei que diz que o preço da vida  está na intersecção da procura da-coisa, com a oferta da-coisa.  A vida-humana  foi, desta forma,  transformada na procura incessante por uma vantagem de aquisição pelo valor-da-coisa. O valor da coisa passou a ser sustentado por "uma mão invísivel", que ao contrário dos melhores desejos de Adam Smith, provou privilegiar o lucro de curto-prazo ao  bem-comum de longo prazo, e conduziu a humanidade à tragédia do valor errado

A tragédia do valor vida-humana, sob a falácia da lei de mercado,  é mais trágica quando aplicada ao sistema de educação, porque aprisiona  as novas gerações a uma matriz holográfica que  as faz acreditar que: i) valem menos quando os pais ganham menos, na medida de que não conseguem ter as acesso às coisas que satisfazem os  desejos refletidos pelo  mercado produção-consumo (em um determinado momento) ii) valem mais quando têm notas elevadas e valem menos quando não conseguem ter  notas elevadas, sendo, no entanto, sempre  canalizados, pela lei de mercado, para programas educativos que não potenciam  a diversidade da sua inteligência humana mas! a transforma em massa opaca copy-paste    facilmente manipulável; iii) a informação divuldada em  televisão  (msm + social media) é a que é necessário de se saber e  de não se  questionar, não se ensinando   que a informação MSM obedece à lei da oferta/procura de mercado da globalização, que lucra com  a-uniformização e não com  a-diversidade de pensamento; iv) o valor do-sexo está relacionado ao tempero do prazer, que deve ser ensinado e hiper-estimulado (deste muito cedo) pelos msm, social media,  Escola, campanhas publicitárias de consumo, etc. como produto  a ser consumido em massa, ou seja, em quantidade e variedades de género-rebuçado-cor, sob o mote da inovação hollywoodesco, disneydesco, musicalesco e fashionesco

Esta evidência,  é de destroçar o coração, sobretudo! quando se observa como os ecossitemas ocidentais estão organizados no sentido de posicionar,  as novas gerações, como produto  "fast-food-4profit",  alimentando a mente subconsciente, das crianças e dos jovens, com  arquétipos de mercado, inseminados como referências de consciência de evolução humana. As novas gerações não podem continuar a ser tratadas como  alimento-fast-food4profit

#ODS1 + #ODS2 + #ODS3 + #ODS4 + #ODS5 + #ODS6 + #ODS7 + #ODS8 + #ODS9 + #ODS10 + #ODS11 + #ODS12 + #ODS13 + #ODS14 + #ODS15 + #ODS16 + #ODS17 PEDIMOS DESCULPA, ÀS NOVAS GERAÇÕES, POR  SE NIVELAR  POR BAIXO O DESENVOLVIMENTO DA SUA CONSCIÊNCIA HUMANA.

ODS = Objetivo de Desenvolvimento Sustentável = SDG = Sustainable Development Goals (17Steps4Sustainability)